Mangás e animes – a cultura pop japonesa conquista o Brasil e o mundo

por Stella Perini

Os mangás e os animes vieram para o Brasil na década de 60, mas meu primeiro contato com o gênero foi em 1996, com a programação da TV Manchete. Na época, eu ainda não sabia o que era um anime, mas acabei gostando tanto que até hoje, 21 anos depois, eles ainda fazem parte da minha vida. Hoje, eu vou falar um pouquinho sobre o que são mangás e animes, suas histórias, as diferenças entre os dois e quais são os meus favoritos.

O QUE É MANGÁ?
Mangá é o termo em japonês que define todas as histórias em quadrinhos criadas no Japão. Sua produção atual representa cerca de 40% da imprensa japonesa e é um dos maiores mercados do mundo, com mais de 750 milhões de exemplares vendidos.
Diferente dos quadrinhos ocidentais, os mangás são lidos “ao contrário”, ou seja, a brochura fica voltada para o lado direito e a leitura deve ser feita da direita para a esquerda.

anime-manga02Essa imagem explica a ordem na qual os balões devem ser lidos

Normalmente, os personagens dos mangás apresentam traços mais exagerados, como olhos grandes e cabelos coloridos, que combinam com a personalidade do personagem.

anime-manga03Ilustração do Mangá “Fullmoon wo Sagashite”

Mas a ideia de que mangás são voltados somente para crianças, está muito errada. Muitas publicações, inclusive várias das que foram traduzidas para o português, abordam temas sérios ou pesados. Como é o caso do título Gantz, cheio de cenas de violência extrema e nudez, e o Black Lagoon, cujos personagens principais são mercenários envolvidos com a máfia russa (e que um dos casos chega até a abordar prostituição infantil!).

Ou seja, existem milhares de gêneros de mangás que abordam vários assuntos diferentes, mas a forma mais comum de diferenciar qual título é mais apropriado para qual idade é usar o método de classificação que divide o público alvo pela faixa etária e sexo. Sendo eles:

  • Kodomo – Destinado a crianças.
  • Shonen – Destinado a garotos adolescentes.
  • Shoujo – Destinado a garotas adolescentes.
  • Seinen – destinado a homens jovens e adultos.
  • Josei – Destinado a mulheres jovens e adultas.

HISTÓRIA DO MANGÁ
As primeiras raízes dos mangás foram durante o século VIII, com o aparecimento dos primeiros rolos de pinturas japonesas, os emakimono, uma mistura de pinturas e textos que juntos contavam uma história à medida que eram desenrolados. Mas foi em 1814 que o termo surgiu com os hukusai manga, que traziam caricaturas e ilustrações sobre a cultura japonesa.
Desde então, o gênero foi evoluindo com a influência de quadrinhos ocidentais, como os quadrinhos clássicos da Disney, até chegar ao seu estilo atual.

O QUE É ANIME?
Anime é o termo usado para as animações produzidas em estúdios japoneses, sua indústria conta com mais de 430 estúdios de produção, incluindo os renomados Studio Ghibli, Gainax e Toei Animation. Muitos animes acabam surgindo como adaptações de mangás, e devido ao sucesso do gênero, vários foram dublados em diversos idiomas, inclusive para português, como é o caso dos famosos Dragon Ball Z e Os Cavaleiros do Zodíaco. E assim como os mangás, muitos possuem temáticas adultas e não são indicados para crianças.

anime-manga04Foto do anime Cavaleiros do Zodíaco (Saint Seiya), exibido pela primeira vez no Brasil na TV Manchete, em 1994.

HISTÓRIA DO ANIME
O primeiro formato de anime foi para os cinemas em 1917. Em 14 de Julho de 1958, Mole’s Adventure foi ao ar na Nippon Television, e foi tanto o primeiro anime televisionado como a primeira animação em cores na TV japonesa. Em 1967, surgiram quatro filmes e quatorze séries animadas no Japão, entre elas A Princesa e o Cavaleiro, Fantomas e Speed Racer, este último sendo o primeiro anime a obter grande projeção internacional. Entre os principais artistas que se envolveram com a arte, estavam Osamu Tezuka, Shotaro Ishinomori e Leiji Matsumoto, que mais tarde, foram consagrados como mestres na área.

anime-manga05Astroboy de Osamu Tezuka

DIFERENÇAS ENTRE MANGÁS E ANIMES
A maior dúvida de quando falamos em Animes e em Mangás, é exatamente a diferença entre os dois. Além da diferença básica entre os meios de circulação, sendo o mangá uma publicação impressa e o anime uma produção animada, existe a diferença de censura. Em grande maioria, os animes passam em canais da televisão, por isso, devido a classificação de horário de exibição, muitos não podem exibir cenas de violência extrema ou nudez.
Em alguns casos, animes exibidos em outros países foram modificados para se adequarem a essa regra. Como no caso do famoso One Piece, onde o cigarro do personagem Sanji foi transformado em pirulito nos Estados Unidos. Já os mangás, por não terem que seguir censuras rígidas, possuem uma liberdade maior, podendo expressar aquilo que seu criador desejar.

anime-manga06Imagem alterada e a imagem original do anime One Piece

Como já mencionei antes, muitos animes surgem como adaptações de mangás que acabam fazendo sucesso no Japão. E isso, em minha opinião, tem seus pontos positivos e negativos. Algumas adaptações mais antigas tendem a não seguir a história do mangá, ou se prolongar muito, como é o caso do anime clássico de Sailor Moon (um dos meus favoritos da época da TV Manchete). O mangá que deu origem a animação possui apenas 60 capítulos com um tom mais dramático e rico em detalhes, enquanto todas as temporadas do anime somam um total de 239 episódios que são voltados mais para comédia e aprofundamento das relações, e que acabam perdendo parte da história. Tanto que, em 2014, comemorando os 20 anos do título, foi lançada uma nova versão do anime, chamada Sailor Moon Crystal, e que segue mais fielmente o mangá.

Em minha opinião, outro ponto negativo para as adaptações são quando elas terminam antes do mangá ser finalizado, porque elas começam a seguir a mesma história e aí acabam confusas ou corridas perto do final do anime. Esse foi o caso com Soul Eater, Claymore e a primeira adaptação de Fullmetal Alchemist. Eles começaram muito bem, extremamente empolgantes, mas em determinado ponto, se afastaram da história original e acabaram com finais não muito claros e corridos. Já a segunda adaptação de Fullmetal, Fullmetal Alchemist Brotherhood, está na minha lista de melhores animes de todos os tempos, pois além de seguir fielmente a história do mangá, ainda conta com uma animação maravilhosa.

Outro problema dos animes é que muitas vezes coisas que são bem mais rápidas nos mangás, acabam ficando muito enroladas. Um exemplo claro disso é a transformação da Kyuubi com quatro caudas em Naruto. No anime, essa cena demora vários episódios para acontecer, enquanto que no mangá, a situação toda dura uma página. Outro exemplo é Tsubasa: Reservoir Chronicle, onde conflitos resolvidos no mangá em questão de um capítulo curto duram cinco a seis episódios do anime.

Mas nem sempre os mangás saem vencendo nessa comparação! Animes de esporte, como Haikyuu e Kuroko no Basket, ganham da versão original impressa porque é muito mais legal acompanhar uma partida animada. Quando assisti Haikyuu, eu ficava tão animada com os episódios que até parecia que estava vendo um jogo de vôlei real (na verdade, o anime me levou a prestar mais atenção nas partidas que passam na TV!).

O mesmo vale para animes de ação, como Fairy Tail, Boku no Hero Academia, One Punch Man, Fate/Zero e Attack on Titan. As lutas se tornam mais emocionantes, não só pelo fato de serem animadas, mas porque a trilha sonora ajuda muito a construir um clima épico.

Outro ponto positivo das adaptações é quando elas seguem fielmente os mangás, como Fullmetal Alchemist Brotherhood, Natsume Yuujinchou e Death Note, o que ajuda para quem tem dificuldade de ler, ou quer relaxar um pouco naqueles momentos de cansaço.

E às vezes, as adaptações de animes são melhores do que seus mangás originais. O anime de Cowboy Bebop tem uma história muito mais densa do que o mangá e ainda tem uma trilha sonora de jazz/blues sensacional. Já a versão animada de Shin Senkai Yori consegue lidar com todas as partes tensas do enredo sem o apelo pornográfico do mangá.

MANGÁS E ANIMES NO BRASIL
No Brasil, os primeiros animes chegaram durante a década de 1960, e já tinham fãs desde essa época. Porém, foi somente nos anos 1990 que vieram a se tornar amplamente conhecidos e cultuados por crianças e adolescentes, com a exibição de séries consagradas como Os Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball Z e Pokémon. Atualmente, a maioria dos mangás no Brasil são publicados pela Editora JBC e pela Panini. Quanto aos animes, embora alguns ainda sejam exibidos em canais abertos e na TV a cabo, o Crunchyroll, um serviço de streaming pago, conquistou o mercado por seu catálogo variado e episódios exibidos na íntegra.

Se você já conhece o mundo dos animes e mangás e estava procurando títulos novos, ou se está começando a conhecer e gostaria de recomendações, além de todos os citados acima eu também recomendo:

  • Another
  • Ao no Exorcist
  • Battle Royale
  • Beelzebub
  • Bungou Stray Dogs
  • Chobits
  • D. Gray-man
  • Deadman Wonderland
  • Death Parade
  • Digimon
  • Doubt
  • Erased
  • Evangelion
  • Fate Stay Night
  • Hellsing
  • Hunter X Hunter
  • Katekyo Hitman Reborn!
  • Lovely Complex
  • Mushishi
  • Psychic Detective Yakumo
  • Re:Zero
  • Sakura Card Captors
  • Samurai X
  • Serial Experiments Lain
  • Shokugeki no Souma
  • Tengen Toppa Gurren Lagann
  • Uzumaki
  • xxxHolic
  • Yu Yu Hakusho
Anúncios

Um comentário em “Mangás e animes – a cultura pop japonesa conquista o Brasil e o mundo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s